Sua vida em trechos de um livro infinito. Trechos estes, curados e cuidados como obras de arte numa grande galeria. Me delicio com tuas palavras, elas são doces, sonoras, loucas.
Não deixarei de ler sua vida em livro: "Não por vontade própria", digo e repito. E ainda me atrevo a completar que só deixarei de te ler se tu deixar de escrever, e digo isso com o coração na mão enquanto ele mesmo implora: "Não deixes nunca, nunca!".