Ele a viu feliz pela primeira vez em meses, depois de uma longa batalha os dois estavam finalmente bem, feridos mas bem. E ele se permitiu entrar no lugar com um sorriso que pudesse encontrar o dela.

Do outro lado do salão ela conversava de taça na mão com homens mais sérios que ele. Com um sorriso e um leve aceno, pediu que lhes dessem licença, o havia visto... e atravessou o lugar num passo leve, mantendo sorriso e olhar fixos nele.

Alguns segundos estranhos passaram enquanto um carregava o olhar do outro através do salão. Ela parou pouco antes de alcançá-lo... ele a parabenizou, mesmo de longe. Em troca, ela olhou através dele e não ouviu nada, se aproximou radiante, tomada por uma alegria imensa, e o abraçou da mais sincera forma.

"Obrigada por vir" - Ela sussurrou em seu ouvido.

Os olhos dele brilharam em preparação para um aguaceiro. Manteve a compostura, por ela. O abraço teve fim um milênio depois, o mundo voltou a girar e ela não disse mais nada, foi puxada por uma senhora distinta e engolida por seus respeitosos convidados.

Ele se manteve no canto. Vez ou outra levantava a taça em direção a ela e lembrava de sorrir. Ela sempre retribuía o gesto com um olhar de aprovação, um sorriso ou aceno discreto... até que o perdeu de vista.

Ele voltou pra casa, ela também.