Tem dia que nada está bom, nada dá certo, o ônibus atrasa, o trânsito está caótico, os carros não te deixam atravessar na faixa de pedestres, começa a chover e você esquece o guarda chuva; tira o telefone do bolso e perde dez centavos, continua andando mas volta pra buscar a moeda porque lembrou que o dinheiro pra voltar pra casa está contado e não vai dar tempo de passar no banco; lembra que tem que passar no banco para pegar dinheiro para pagar algo na segunda, lembra que tem que tirar uma foto 3x4 para aquele negócio importante que vem adiando justamente porque não consegue tirar a foto. E não consegue tirar a foto porque almoçou correndo para chegar cedo no trabalho mas o ônibus atrasou, o trânsito parou, você quase morreu atropelado, se encharcou com a chuva, esqueceu de pegar dinheiro... e o ciclo se repete diariamente, com algumas variáveis.


Aí tem dia que tudo da certo, que você chega em casa, lê um texto legal e se sente inspirado, lembra que o blog fez três anos e você não comemorou, lembra que esqueceu de dar parabéns para quem te inspira, lembra que a vida é menos corrida do que aparenta ser, que o céu continua azul e que você continua adorando o som de algumas palavras, continua apaixonado por música, e por filmes, e por livros...

Tem dia que a gente vê uma girafa e sorri, porque girafa é aquele bicho desengonçado que se parece tanto com a gente mesmo, aí você imagina a girafa andando numa casa e ri mais ainda imaginando uma versão de si mesmo em dimensões girafais.

Tem dia que a gente fica triste, mas aí chega em casa tão cansado que esquece da tristeza, e fica feliz só por ter um prato de macarrão instantâneo e uma cama cheirosa pra deitar e descansar. Que o banho quente parece ser o melhor presente do planeta e que até escovar os dentes é algo relaxante e digno de apreciação.

A gente nasce ao acordar e morre ao dormir, e dormindo, sonhamos com a vida que deixamos a luz do dia, e sonhamos com as vidas que deixamos de viver, e com as pessoas que deixamos de conhecer porque nos preocupamos muito com a sobrevivência e acabamos deixando todo o resto de lado.

Tem dia que cada detalhe conta, e tem dia que é tão vazio de detalhe, de gente, de palavras...