Se afoga voluntariamente nas águas claras da salvação que engana. Pensa que a água, por ser transparente, trará transparência para seu pensamento sujo, e que tudo que fez ou virá a fazer está pago. Mas nada feito se paga em morte, nada feito se esconde em vida.
Julga buscar sua paz na quietude das águas, mas esquece que em dias de tempestade a água se transforma, invade e destrói, assim como teu pensamento arcaico, restrito, preconceituoso.
Tira esta roupa branca, não finja ser santificado, suas ações te incriminam, teu julgamento é errado. Veste tua roupa de macaco, tira o cabresto da tua cara e se abra. Expulse de você os verdadeiros malfeitores que são o teu machismo, o teu racismo e teu sexismo.
Se revolte e nunca volte a ser o que foi. Se livre do mal vestido de carneiro e aí poderá limpar teus erros, os limpará na justiça, se confessará a sociedade. Porque água, aprenda, só limpa lama, poeira e sangue.