O sonho é grande, é o sonho de ser viajante, amante, poeta, rinoceronte. O sonho de ser criado, amado, idolatrado, escrachado. Sonho de gritar, correr, xingar, maltratar e se desculpar. Sonho de ser o que jamais um dia será. Sonho de morrer no escuro, no molhado, no sujo. Sonho de cortar as unhas com dentes de ouro de outro, de acender o cigarro na cabeça quente alheia. É sonho de pular do penhasco e voar sem preocupações, e ao atingir o fundo do poço, antes que o sangue espirre, revelar a ilusão. Sonho de dar vinho ao valentão até ele pedir arrego, e quando acontecer, enfiar-lhe uma rolha no rego. Ah, são sonhos e sonhos que não acabam mais, sonho de poetizar na horizontal foi concluído, que venham os demais!