Todos os dias me lembro de você, e me dói saber que apesar de tanta coisa ter acontecido entre a gente nada aconteceu entre nós. Eu quero que aconteça, não preciso repetir isso assim como você não deve repetir que quer tanto quanto eu.
Eu olho pra fora e imagino o que faria, imagino formas de ser uma pessoa melhor para você, de ser mais determinado. Mas eu sou tão imprevisível pra mim, como o mundo deve não acreditar que sou.
Ter alguém me esperando é algo novo pra mim, algo que eu nunca havia refletido suficientemente para saber como agir, o que sentir, o que pensar. E pra mim planejamento é fundamental, ele barra minha imprevisibilidade, ele me dá segurança.
Não escrevi mais um texto tentando te pedir desculpas por ser assim, mas escrevi tentando te mostrar que eu sou assim, eu te amo mas não consigo agir da maneira que uma pessoa comum deveria, simplesmente porque não me considero uma pessoa comum.
Quando estou na sua frente me perco no seu olhar e não quero pensar em mais nada, quero te abraçar e ficar alí pra sempre, numa eternidade utópica que sei que nunca teremos, então tento manter eterno aqueles poucos segundos e acabo não deixando espaço pra mais nada.