Acabei de pensar que talvez o simples fato de algo existir o faz imperfeito, para mim pelo menos, um mundo perfeito é utópico, portanto inexistente, afinal, não consigo nem imaginá-lo. Ou seja, o mundo perfeito poderia ser o nada, o nada é perfeito, é singular, é completamente ausente, completamente vazio. Não há expectativas para esse vazio, você não espera que 'nada' se transforme em 'algo'. Não há sofrimento no vazio, pois a própria ideia de sofrimento não existiria. O vazio é a paz, talvez seja por isso que as pessoas creem piamente num ser cuja razão prova ser provavelmente inexistente. As pessoas personificam o vazio, buscam o vazio, porque inconscientemente sabem que a única perfeição é a ausência completa do conceito 'perfeição'. Criam então um ser impossivelmente perfeito, o enchem de características naturalmente impossíveis e o nomeiam. E este deus nomeado é simplesmente o inalcançável, ele é perfeito em absoluto. Seguindo meu raciocínio (?!), perfeição é o vazio, um deus é perfeito portanto deus é o vazio.

Ps: tenho esses raciocínios filosóficos noturnos, pode não fazer sentido pra você, mas faz muito sentido no meu cérebro.