Acordei quase cedo, não arrumei a cama, desliguei o despertador, voltei para a cama, dormi mais uma hora. Acordei com o pedido incessante da minha pequena irmã, ela queria uma xícara de café com leite, mandei fazê-la sozinha, ela me disse que não sabia fazer direito e alegou que quando fazia o café ficava frio ou quente demais, levantei para prepará-la a xícara afinal já sofri o mesmo problema antes de me formar na arte de se misturar os líquidos sagrados.
Tomei café e fui escovar os dentes, sim eu escovo os dentes depois de tomar café, simplesmente para não ter que tomar café de menta e/ou escovar os dentes novamente depois de comer. Meu cabelo estava bagunçado, deixei-o como estava depois de uma tentativa falha de colocá-lo no lugar com a força do pensamento.
Abri a janela do quarto para deixar a luz ofuscar minha visão, cambaleei até que meus olhos puderam se ajustar ao enorme flash que invadiu meu quarto. Ouvi os meninos empinando pipa na rua, não olhei, não gosto de pipa nem de meninos.
Liguei a TV pensando em assistir algo bom, desliguei a TV depois de perceber o quão ingênuo eu sou. Fui ler uns poemas de Bandeira enquanto o computador ligava.
O tempo passa, lí vários poemas de Bandeira, lí alguns artigos, lí algumas notícias, lí o blog dela. Pausa para almoço seguido da secagem da louça da qual não consigo me esquivar há algum tempo.
Voltei ao quarto. A cama ainda bagunçada. Liguei a TV para assistir Friends, ri como aqueles assustadores saquinhos de risada. Chorei uma vez só (estou ficando bom em controlar isso). Tomei um banho, reli o último texto dela e cá estou, escrevendo, agora com a janela fechada, graças aos mosquitos. Com as unhas doendo, graças ao corte exagerado de ontem e a cama ainda desarrumada, graças a mim.
Ok, não resisti, abri um pouquinho a janela, meu "não gostar" de insetos acaba sendo superado pelo meu recém adquirido vício na brisa que vem de fora. Algo me diz que serei picado, ou que o senhor SPB afogará algum monstro ainda hoje.

Ps: Alguns eventos foram esquecidos ou escondidos.