Querida amiga,

Você é linda, linda mesmo, tudo em você me agrada, tudo em você se encaixa, menos a tua cabecinha. Ah cabecinha essa que tú tens amiga. Fico imaginando onde esconde os miolos, eles não parecem lhe agradar. Sei que os possui, e deve ter uma bela poça deles, mas como podes amiga, se privar de tamanha fonte de inteligência?
Não me tome por palhaço, mas vê-se que os esconde com medo que os ditos lhe estraguem o conto de fadas. Mas amiga, convenhamos que a vida tua já não é a de fadas há um certo tempo. Vamos afogar os miolos de criança e dar a carne deles de comer aos mais crescidos? Amiga minha, não vês que quem te amas está mais perto do que procuras? E que quem procuras está longe de ser o que desejas?
Analise os fatos. Não venho dizer que o pretendente é quem escreve esta carta, mas preste atenção na próxima gala a que adentrar. Haverá moços a quem tu darás a mão para beijar, e haverá moços que prefiram lhe beijar o anel.
Tire os miolos do esconderijo e escolha o que o beijo na mão menos lhe agradar, porque cavalheiro que é cavalheiro beija melhor os lábios da amada que as mãos, e os que lhe beijarem o anel, bem, esses podem ser menos dignos ainda de seu amor.

Honestamente de seu amigo de maternidade,
F.S.
Depois de tanto tempo sem escrever venho com essa porcaria. Mais achei digna de publicação, desculpe o falso português arcaico.